Chocolate todo dia?

Opa!! Será que eu ouvi bem? Comer chocolate todos os dias faz bem para nossa saúde?

Sim.. Recentes descobertas científicas revelam que este alimento tão desejado no mundo todo protege o coração, ajuda a prevenir o diabetes tipo 2, reforça as defesas do corpo e pode auxiliar no controle do apetite. Quem diria?

choco1O cacau foi considerado pelos Maias e Astecas, como o alimento dos deuses. Essa veneração teve origem nas sementes do fruto do cacaueiro que escondiam diversas propriedades. O chocolate amargo, por ter alto teor de cacau na sua composição, promove uma série de benefícios para nossa saúde. Os pacientes pré-hipertensos ou em estágio inicial da doença, participaram de testes onde consumiam, durante 18 semanas, 30 calorias diárias ou 6,3 gramas de chocolate amargo e foi comprovado que o chocolate derrubou a pressão que o sangue exerce sobre os vasos. A hipertensão é responsável por milhares de infartos e derrames em cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. O estudo ainda provou que tudo pode acontecer sem alterar o peso, as taxas de açúcar e a gordura na circulação no sangue dos pacientes.

Entre os países que mais consomem o chocolate estão a Bélgica, em primeiro lugar, com 10,8 kg (consumo anual por habitante), em segundo, a Suiça, com 10,2 kg, seguida pelo Reino Unido, com 9,9 kg. O Brasil tem apenas 0,9 kg de consumo anual por habitante, apenas.

 Será que o chocolate ajuda a emagrecer também?

Um estudo na Universidade Real de Copenhague, na Dinamarca, revelou que uma propriedade pouco conhecida do chocolate amargo pode promover a saciedade, ou seja, aplacar a fome. choco4Especialistas em obesidade puderam comprovar que o grupo das pessoas que ingeriram uma porção de chocolate amargo pela manhã, consumiram menos calorias do que as do grupo que ingeriram o chocolate ao leite, além de pararem de beliscar entre as refeições.

Para quem precisa controlar o apetite, recomenda-se de 30 a 40 gramas para o lanche da manhã. Com o tempo, dá-se um basta nas guloseimas e passa-se a comer menos. Não se sabe ainda o porquê desse efeito nas pessoas, mas a suspeita é de que ele ocorra graças a substância do alimento que agem como as anfetaminas, suprindo a vontade de comer.

 Diferenças e Semelhanças

Chocolate Branco – brncomuitos pensam que ele não deve ser considerado como chocolate porque as sementes do cacau não fazem parte da sua composição, mas sim, é uma mistura de leite, açúcar, lecitina e manteiga de cacau. São 164 calorias em 30 gramas.

Chocolate Ao Leite – o fao-leitearmacêutico alemão Henri Nestlé (1814 – 1890), foi o responsável pela incrível mistura que tem este chocolate: licor, manteiga de cacau, açúcar, leite, leite condensado e leite em pó. Em 30 gramas são encontradas 159 calorias.

Chocolate Amargo – amargoeste sim é o preferido dos que querem mais saúde. Nesta mistura, as sementes de cacau são a maior parte dos ingredientes, juntando mais manteiga de cacau, pouco açúcar e nada de leite. Uma barra de 30 gramas contém 150 calorias.

O sabor peculiar e o segredo do chocolate amargo se deve a grande quantidade de massa de cacau e então, a altíssima concentração de flavonóides, como as catequinas. São elas que agem nas artérias, promovendo a queda da pressão arterial, pois esses compostos elevam a produção de óxido nítrico, um vasodilatador natural. A camada interna das artérias (endotélio),  fica mais flexível. Assim, o sangue passa por ali gerando menos pressão.

Além disso, o chocolate amargo não contribui para o aumento do colesterol. Os polifenóis impedem a oxidação do LDL, o tipo ruim da gordura. Eles “sequestram” a molécula, formando um complexo solúvel que é eliminado pela urina. Mas o consumo diário deve ficar entre 30 e 40 gramas, ou seja, 4 quadradinhos das barras grandes.

Outro componente do chocolate amargo, a procianidina, ajuda no controle da Diabetes tipo 2, baixando os níveis do açúcar no sangue e melhorando a eficácia da insulina, o hormônio que coloca a glicose dentro das células.

choco2Outras pesquisas com o chocolate amargo, cheios de flavoníodes, revelaram que 100 gramas diárias desse alimento poderia garantir o mesmo benefício ao ser humano.

Porém, ainda é cedo para os diabéticos saírem se deliciando à vontade com esta guloseima amiga do coração. Outros estudo serão necessários para comprovar definitivamente esta descoberta. Então, vamos com cuidado!!