Reciclagem e Aproveitamento do Lixo

O Brasil produz mais de 250 mil toneladas de lixo por dia. Destes, 53% é lixo orgânico, 25% são papel e papelão, 3% de plástico, 2% metais, 2% de vidro e cerca de 15% são outros tipos de lixos. Mais da metade desse lixo vai para aterros sanitários, onde levará muitos e muitos anos para se decompor na natureza, além do lixo orgânico servir de comida para ratos, insetos e apodrecer, causando mau cheiro e servindo de hospedeiro para os insetos colocarem ovos. Argh!!

     

Se calcularmos o valor do lixo que poderia ser reciclado mas é colocado fora, temos um valor em torno de 250 milhões de reais. Das garrafas pet utilizadas, somente 55% são reaproveitadas. 253 toneladas por ano, somando um valor de 310 milhões de reais. Das latas de alumínio que o Brasil produz, é reciclado cerca de 98%. São 14,7 bilhões de unidades por ano, resultando 198 mil toneladas, somando um valor de 382 milhões de reais.  Sabendo que o preço atual do alumínio é de 1930 reais por tonelada, estamos colocando fora um valor potencial de 8 milhões de reais.

Por mais complexa e sofisticada que seja uma sociedade, ela faz parte da natureza. É preciso rever os valores que estão norteando o nosso modelo de desenvolvimento e, antes de se falar em lixo, é preciso reciclar nosso modo de viver, produzir, consumir e descartar. Qualquer iniciativa neste sentido deverá absorver, praticar e divulgar os conceitos complementares de redução, reutilização e reciclagem.

Então? O que podemos fazer para que essa realidade nada agradável continue?  R E C I C L A N D O . . . .

Para tentarmos resolver o problema do acúmulo desenfreado do lixo, a solução é simples, a redução, pois assim ele nem chega a surgir. Se cada vez que um problema surgir nos limitarmos a procurar medidas para resolvê-lo, então estaremos contribuindo para a perpetuação da situação. Isto por que se há como resolver o problema, inconscientemente às pessoas não irão reunir esforços suficientes para evitá-lo.

Outra forma simples de reduzir a quantidade de lixo é utilizar produtos fabricados de forma alternativa. Hoje, por exemplo, utilizam-se copos descartáveis em festas, escritórios ou mesmo em casa. É muito difícil o mesmo copo ser reutilizado, por ser justamente descartável. Deve-se preferir o uso de materiais mais duráveis, como o vidro ou a porcelana.

  Algumas atitudes de redução na fonte

•Utilizar recursos não descartáveis para anotações de recados. Por exemplo, substituir papéis por lousa ou quadro negro;

•Levar embalagens e recipientes de casa para fazer compras, evitando inúmeras sacolas plásticas no lixo. Procure levar carrinho, daqueles utilizados para ir à feira;

•Embalagens: ao comprar qualquer produto, não utilize várias embalagens (caixa + sacolinha + embrulho + sacolão + fitinha + etc). Não desperdice!

•Optar por produtos a granel e alimentos frescos, evitando embalagens desnecessárias;

•Verificar o uso excessivo de papel higiênico ou guardanapos;

•Substituir os guardanapos de papel pelos de pano;

•Preferência a certos produtos em relação a outros como: lâmpadas de baixo consumo (fluorescentes) que são oito vezes mais duráveis que as incandescentes; cartuchos de impressora recarregáveis; produtos de embalagens recicláveis; produtos de embalagens retornáveis;

•Planejar bem suas compras para não haver desperdício;

Reutilizar

O desperdício é uma forma irracional de utilizar os recursos e diversos produtos podem ser reutilizados antes de serem descartados, podendo ser usados na função original ou criando novas formas de utilização. Exemplificando: podemos utilizar os dois lados do papel, confeccionar blocos para rascunhos com papel escritos ou impressos em apenas um dos lados; reutilizar envelopes e clipes; reutilizar latas, sacos e embalagens plásticas para vasilhames, e até mesmo brinquedos; triturar restos de materiais e entulhos de construção para reutilizá-los em construções simples.

 

Reciclar

É o termo usado quando é refeito, por indústrias especializadas, o produto de origem industrial, artesanal e agrícola, que foi usado e descartado ao fim de seu ciclo de produção e utilização. A reciclagem vem sendo mais usada a partir de 1970, quando se acentuou a preocupação ambiental, em função do racionamento de matérias-primas. É importante que as empresas se convençam não ser mais possível desperdiçar e acumular de forma poluente materiais potencialmente recicláveis. Cerca de 50% de todo material descartado como lixo pode ser recuperado como matéria-prima, sendo reutilizado na fabricação de um novo produto.

Quando pensamos na questão do lixo, o mais difícil de equacionar, e o que vai demandar maior pesquisa, é a destinação. Afinal de que adianta separar se não conhecemos o processo como um todo? Para onde vai o nosso lixo depois que o lixeiro passa? O que fazer com o lixo separado? O que eu posso fazer? Essas são as perguntas que precedem qualquer iniciativa relativa ao lixo. Elas devem ser o fio condutor de uma proposta de logística. Afinal, se queremos participar devemos conhecer a fundo todo o processo.